Publicidade
Publicidade
24/01/2014 às 21h11

Beyoncé e Jay-Z são os poderosos do ano, segundo a Billboard

Revista destacou a influência e habilidade do casal nos negócios.
Edição norte-americana de fevereiro traz na capa a foto dos artistas.

Beyoncé e seu marido, o rapper Jay-Z, foram escolhidos como os "poderosos de 2014" pela revista americana Billboard.

A lista "Power 100" traz cem pessoas influentes e que se destacam na indústria da música. O casal é reconhecido por suas habilidades em administrar os negócios.

"[Poder] em sua base é a capacidade de mudar o mundo ao seu redor de acordo com a sua visão," descreveu o artigo da edição de fevereiro, cuja capa (abaixo) estampa Beyoncé e Jay-Z.

A publicação fala sobre como ambos lançaram seus recentes álbuns de forma inesperada e com acordos com grandes companhias, como Samsung e Apple, colaboradoras de Jay-Z e Beyoncé respectivamente.

Jay-Z, por anos, constrói seu poderoso império desde a fundação de sua gravadora, "Roc-a-Fella Records", em 1996, até seus recentes investimentos no esporte. O rapper é um dos proprietários do time americano de basquete Brooklyn Nets.

Já Beyoncé provou, desde a separação profissional com seu pai, em 2011, que uma artista que se auto-gerencia pode ser poderosa e produtiva. Quando seu último álbum, "BEYONCÉ", foi lançado em 13 de dezembro de 2013, a artista silenciou todos os rumores sobre cancelamentos e desistências.

O projeto foi elogiado pela crítica com suas 14 canções e 17 clipes. O lançamento exclusivo por uma semana no iTunes, não sendo possível a compra separada das músicas, "forçou" o público a focar no álbum como um trabalho coesivo. O resultado pareceu transformar a todos - executivos, jornalistas, seguidores casuais - em fãs.

"Ela se arriscou demais e foi muito bem recompensada por isso. Eu amei o que ela fez. Obrigado, Beyoncé! Isso traz de volta o entusiasmo que a indústria precisa", declarou Guy Oseary, empresário de Madonna e U2 em sua companhia Untitled Entertainment.

Nota-se que o mais importante para ambos artistas é direcionar a atenção para a música em si. Por anos os grandes executivos das gravadoras já falavam que o público pagará pela música se estiverem entusiasmados, e foi verdade. Jay-Z, com o álbum "Magna Carta... Holy Grail" vendeu 528 mil cópias na primeira semana e Beyoncé, com seu álbum auto-intitulado, conseguiu, em quatro semanas, vender mais de 1,3 milhão de cópias.

(Foto:Divulgação/Billboard)

Publicidade
Os comentários são de total responsabilidade de seus respectivos autores, o BEYHIVE.com.br não se responsabiliza pelas opiniões de terceiros. Reservamos-nos o direito de moderar os comentários aqui publicados, qualquer conteúdo ofensivo (a uma entidade ou pessoa) ou ilegal será deletado e o autor impedido permanentemente de comentar em todo o site.